quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

A devoção ao Divino Pai eterno


Entre os dias 8 e 22 do mês passado, participei das Santas Missões Populares Vicentinas, em Coronel Murta, pequena cidade da região do Vale do Jequitinhonha, Minas Gerais. Várias coisas me chamaram a atenção, dentre as quais a devoção ao Divino Pai eterno. Durante as visitas às famílias fui indagado várias vezes a respeito da legitimidade desta devoção popular, que está se espalhando por todo o país. Curiosamente, resolvi assisti a uma das missas presidida pelo famoso Pe. Robson, redentorista e principal divulgador de tal devoção. Justamente no dia em que assisti à missa na TV Aparecida, o citado padre falou, insistentemente, da construção do novo santuário, que custará muitos milhões de reais.

Irei pontuar algumas considerações a respeito desta devoção, respondendo, assim, aos amigos e leitores de meu Blog, que, insistentemente, tem me pedido para escrever alguma coisa sobre esta questão.

1 – Na Igreja da Idade Média, a devoção aos santos era algo quase que fundamental na vida eclesial e a afluência do povo era tão grande que a Igreja chegou até a se utilizar da boa fé do povo para explorá-lo, ou seja, ganhou-se muito dinheiro e muitos bens à custa da devoção aos santos. Assim sendo, isto não é uma novidade na vida da Igreja. Após as denúncias de M. Lutero no séc. XVI, a situação melhorou um pouco, mas os desvios e/ou excessos continuaram dificultando a prática de uma fé verdadeiramente cristã.

2 – A imagem do Divino Pai eterno, a meu ver já é um desvio. Os cristãos de outras Igrejas podem, com muita razão, nos acusar, em certo sentido, de sermos idólatras. Penso que não há necessidade de fabricarmos uma imagem de Deus. Deus não tem forma, ninguém jamais o viu, como podemos fazer-lhe uma imagem? Na imagem fabricada, o Pai eterno é um velho barbudo! Deus não é um ancião! Na mesma imagem aparece o Filho, o Espírito e Maria. Desta forma, não é uma imagem da Trindade Santa, é algo diferente que passou despercebido. Ironicamente, alguns se perguntam o que Maria está fazendo naquela imagem!

3 – A devoção aos santos e santas de Deus é legítima na Igreja, é recomendável. É verdade que não é o fundamental na vida cristã, pois o essencial é o seguimento a Jesus de Nazaré. Sabemos muito bem que os santos foram e são mulheres e homens que se colocaram e se colocam no caminho do Cristo Jesus. Penso que não podemos ser devotos de Deus. Somos filhos de Deus e não precisamos nos relacionar com Ele como nos relacionamos com os demais santos. Deus é o Santo por excelência e a fonte de toda a santidade. Nossa relação com Deus deve ser filial, não devocional.

A partir das perguntas das pessoas percebo que muita gente confunde o Pai eterno com um santo comum. Uma jovem dona de casa me disse: “Eu adoro o Divino Pai eterno, tudo o que eu peço, alcanço. Ele pede a Deus tudo o que eu preciso!” O vínculo é tão devocional que há a imagem e a novena. Como podemos nos relacionar com Deus através de promessas e novenas?...

4 – É verdade que Deus não vai levar em consideração este equívoco de ordem doutrinal e pastoral ao escutar o clamor de um pobre sofrido que lhe suplica através de uma devoção como essas, mas isto não justifica a permanência da mesma de forma equivocada. O maior problema está no fato de não levar as pessoas ao seguimento de Jesus de Nazaré, mas à dependência e ao cultivo da imagem de um Deus meramente dispensador de todas as graças. Não vejo diferença entre o apelo desta e outras formas apelativas de devoção e o “Pare de sofrer!” da Igreja Universal do Reino de Deus. O Pe. Robson insiste nisto: “o Pai eterno não quer ver ninguém sofrendo, faça sua promessa, venha à Trindade (GO), faça conosco a novena e seja um benfeitor na construção do novo santuário!”

5 – Não precisamos prometer nada a Deus. Ele não nos atende por força de promessas. A relação com Ele deve ser filial e gratuita. Nossa missão é seguir seu Filho Jesus e construirmos o Reino. Devoções apelativas como esta desviam os cristãos de sua missão fundamental. Por isso, merece correção e reorientação. A missão da Igreja não é levar às pessoas a santuários através de incansáveis e inúmeras peregrinações.

A adesão ao projeto de Jesus não acontece em peregrinações, mas no cotidiano da vida, vivendo-se o amor na relação com o próximo. Não adianta se apegar às devoções se não se busca fazer a vontade de Deus. Fora do seguimento de Cristo e de seu projeto libertador toda e qualquer devoção perde seu sentido e se transforma em instrumento de alienação; torna-se fardo pesado nas costas dos pobres, que assumem certa obrigação de tirar do pouco dinheiro que tem para sustentar e manter estruturas pesadas e dispendiosas.

Espero que o leitor tenha compreendido a mensagem deste texto. Não estou indo contra as manifestações da religiosidade popular. Estas são ricas e necessárias ao povo de Deus, mas os desvios e excessos devem ser prudentemente observados, a fim de que o Evangelho de Jesus de Nazaré não seja marginalizado. A Igreja deve levar as pessoas a um encontro com o Deus de Jesus de Nazaré, não a uma imagem de Deus.

É inadmissível que Deus seja reduzido a objeto de devoção popular, pois é o eterno mistério, portanto, insondável. A verdadeira imagem de Deus está no Cristo crucificado. Não podemos fugir da cruz de Cristo, pois “se com ele morremos, com ele viveremos; se com ele sofremos, com ele reinaremos. Se nós o renegarmos, também ele nos renegará. Se lhe formos infiéis, ele permanece fiel, pois não pode renegar a si mesmo” (2 Tm 2, 11 – 13).

Devoções como esta induzem as pessoas a pensar que Deus tem a obrigação de livrá-las de seus sofrimentos, quando na verdade o sofrimento é inerente à condição humana. É verdade que Ele não quer nos ver sofrendo, mas é verdade também que não enviou seu Filho com a missão de curar e libertar as pessoas de seus sofrimentos. Jesus curou e libertou muita gente, mas esta nunca foi sua missão fundamental.


Tiago de França

2 comentários:

Cristo Redentor disse...

Devo reconhecer que você está certo em muitas de suas citações como por exemplo: “a Igreja chegou até a se utilizar da boa fé do povo para explorá-lo, ou seja, ganhou-se muito dinheiro e muitos bens à custa da devoção aos santos.”(prg3); “Na mesma imagem aparece o Filho, o Espírito e Maria. Desta forma, não é uma imagem da Trindade Santa, é algo diferente que passou despercebido. Ironicamente, alguns se perguntam o que Maria está fazendo naquela imagem!”(parágrafo 4); “Penso que não podemos ser devotos de Deus.”(parágrafo5); ““Eu adoro o Divino Pai eterno, tudo o que eu peço, alcanço. Ele pede a Deus tudo o que eu preciso!”(parágrafo6); “Não precisamos prometer nada a Deus. Ele não nos atende por força de promessas. A relação com Ele deve ser filial e gratuita.”(parágrafo7); “Fora do seguimento de Cristo e de seu projeto libertador toda e qualquer devoção perde seu sentido e se transforma em instrumento de alienação; torna-se fardo pesado nas costas dos pobres, que assumem certa obrigação de tirar do pouco dinheiro que tem para sustentar e manter estruturas pesadas e dispendiosas.”(parágrafo9). Porém algumas considerações desejo colocar.
Deus se apresenta ao homem pelo processo de revelação, o revelar faz-se torna conhecido o que estava escondido. Quando você falou que “Deus não tem forma, ninguém jamais o viu, como podemos fazer-lhe uma imagem?”. Não é que esteja errado, porém a ignorância humana precisa de uma imagem. Até Moises quis ver a Deus. Deus não se deixou enxergar em sua plenitude, porém sua presença e imagem tornam, no sentido limito, perceptível em Jesus. Neste sentido o invisível tornou-se visível, não em sua plenitude, mas de forma limitada e humana. Quanto a expressão “na foto aparece um velho barbudo”, creio que é uma espécie de analogia figurativa para dizer que Deus é o grande saber. Na expressão: “Na mesma imagem aparece o Filho, o Espírito e Maria.”. Creio que você está certo. Quanto ao sentido devocional de Deus também, concordo. No caso de Maria estar junto, acho que o equivoco está na congregação misturar a devoção popular que ela muito trabalha, e faz parte do seu carisma, com a nossa divindade Deus. Quanto a idéia: “A partir das perguntas das pessoas percebo que muita gente confunde o Pai eterno com um santo comum.”, realmente elas confundem, pois isso não é uma questão atual, mas isso já se arrasta bastante tempo. E é difícil mudar. Na questão: “A adesão ao projeto de Jesus não acontece em peregrinações, mas no cotidiano da vida, vivendo-se o amor na relação com o próximo.”, Acho que você está parcialmente certo, no entanto vemos que as peregrinações são uma espécie de animação da fé popular. É claro, não esqueçamos o seu sentido econômico, mas também não podemos desprezar a Fé popular. Vejamos que em muitos casos na bíblia foram os mais simples que reconheceram Jesus, não posso generalizar, mas isso muitas vezes Aparece em nossas comunidades de fato. Contudo, bom artigo.

Caminhando com Jesus disse...

Obrigado pela apreciação!