quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

A renúncia do Papa Bento XVI


         Desde o dia em que o papa Bento XVI anunciou a sua renúncia para o dia 28 de fevereiro do corrente ano, as pessoas não param de comentar, noticiar e especular tal anúncio. A mídia acompanha atentamente os desdobramentos da renúncia. Querem saber dos reais motivos da mesma. À luz do evangelho de Jesus vamos comentar brevemente a respeito de três questões fundamentais: o papado de Bento XVI, a renúncia e o novo Papa. O momento é oportuno para pensar estas coisas. Não podemos nos enganar com o sensacionalismo da mídia, que tem gerado muita comoção e confusão.

O papado de Bento XVI

            São muitas as análises a respeito do pontificado de Bento XVI. Não quero ser mais um a oferecer uma análise criteriosa a respeito. Penso que isto é secundário. Há quem goste de fazê-lo, reservo-me o direito de falar apenas de três aspectos que mais me chamaram a atenção desde que o mesmo foi eleito Bispo de Roma.

            O primeiro, é que ele reforçou a centralização de poder que encontrou bem encaminhada desde seus predecessores, principalmente pelo papa João Paulo II. O Vaticano cheira a poder, prestígio e riqueza. Isto é inegável. Aí está a origem do mal fundamental que assola a Cúria Romana: a sede e as brigas pelo poder. Em nenhum momento o papa Bento XVI se opôs radicalmente a isto.

No pontificado anterior, ele foi um dos homens mais poderosos do Vaticano, ocupando o cargo de prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé. Portanto, afirmar que Bento XVI renunciou ao poder é um grave equívoco, pois a sua biografia mostra que sempre foi um homem do poder. Esta centralização de poder se refletiu também nas bases da Igreja: os leigos vistos como meras ovelhas servas e subservientes aos pastores. O clericalismo aumentou assustadoramente. A partir de Roma, Bento XVI estava devidamente informado do que acontecia nas Igrejas Particulares e a quase totalidade dos Bispos e Arcebispos entendiam bem as ordens oriundas de Roma.

            O segundo, é que ele não dialogou com a modernidade, mas a combateu ferrenhamente, acusando-a de ser relativista e materialista. A consequência deste enfrentamento foi o crescente fechamento da Igreja em relação ao mundo. Chegou-se a falar que só há salvação na Igreja Católica. Os católicos pouco instruídos entenderam que o mundo é coisa do demônio, que se deve fugir dele buscando refúgio na Igreja como se esta não estivesse no mundo.

            Os fiéis, principalmente os jovens, não suportando mais tal dicotomia entre Igreja e mundo passaram a deixá-la, assustadoramente. Para muitos, a Igreja se tornou coisa do passado. Suas orientações e normas passaram a ser relativizadas e deixadas de lado. Pouco importa para a maioria dos jovens se a moral sexual católica proíbe o uso de anticoncepcionais. Até os jovens que ainda possuem alguma prática religiosa fazem uso deliberadamente de tais métodos. Este é só um exemplo. Apesar disso, o papa Bento XVI não ousou revisar a moral sexual católica.

            O terceiro aspecto é o do retorno ao modelo tridentino de Igreja. Inegavelmente, toda pessoa de bom senso que esteve atenta ao pontificado do papa Bento XVI percebeu claramente seu esforço em fazer com que a Igreja retornasse ao modelo eclesial tridentino. Contrariando o Concílio Vaticano II, as orientações da Cúria Romana desde os anos dos dois últimos pontificados tenderam a levar a Igreja para Trento. A preocupação com a restauração de uma liturgia rubricista e de costumes da Igreja pré-Vaticano vigorou nas últimas décadas.

            Outras ações realizadas com afinco: reforçou-se o poder clerical nas figuras dos padres e dos bispos; buscou-se retomar o latim na liturgia; a obediência foi considerada um dos valores fundamentais do cristão (obediência à hierarquia); as nomeações episcopais centradas em perfis conservadores, fiéis a Roma; vigilância extrema nos cursos de teologia das universidades, silenciando os teólogos libertadores (dezenas de teólogos foram silenciados!); deu-se ênfase à uniformidade em detrimento da pluralidade e da diversidade; trabalhou-se com sofisticação midiática a imagem do papa em todo o mundo etc.

A renúncia

            Renunciar ao pontificado ainda é algo raro na história da Igreja. Poucos tiveram a ousadia de agir de tal modo. O papa Bento XVI apresentou claramente o motivo de sua renúncia: a falta de forças por causa da idade avançada. Já era idoso quando foi eleito. Por isso, passaram a dizer que seu pontificado era de transição. O papa João XXIII também teve um pontificado curto, porém entrou para a história como um dos maiores papas por ter tido a coragem e a ousadia de convocar o Concílio Ecumênico Vaticano II.

            A situação da Cúria Romana e da Igreja na Europa também contribuiu para a renúncia do papa Bento XVI. Ele não conseguiu recristianizar a Europa como parecia ser sua pretensão. Tudo indica que o atual modelo de catolicismo não dará mais certo naquele continente. A Cúria Romana não passou por nenhuma reforma. Os gananciosos continuam gozando de bons momentos, mas parece que estão se sentindo ameaçados após o anúncio da renúncia. Certamente, irão investir pesado na eleição do próximo papa e os motivos são bastante conhecidos. Quem goza dos inúmeros privilégios do poder não deseja perdê-los.

            Como não quis morrer como seu predecessor, com anel e báculo na mão, rodeado por gente sedenta de poder controlando a Cúria Romana com semblantes de piedade e compaixão, o renomado teólogo alemão resolveu reservar seus últimos anos ao estudo e à oração. Certamente, deixou muita gente desconcertada, principalmente as pessoas que desconhecem o estado de coisas no qual se encontra a sofrida barca de Pedro. Não se trata de renúncia ao poder, que sempre fez parte de sua longa trajetória na Igreja, mas de plena consciência de que não dispõe mais de condições físicas para se manter no encargo que lhe foi confiado há oito anos.

O novo Papa

            O que dizer do próximo papa? Mais uma vez, certamente não será um latino-americano, africano ou asiático. Pode ocorrer, mas é algo quase impossível. Provavelmente, será mais um cardeal europeu: branco, culto e elitizado. Caso não seja, será mais um romanizado. Uma vez que a maioria do colégio cardinalício é formada por cardeais eleitos nos consistórios dos papas João Paulo II e Bento XVI, infelizmente não se pode esperar muita coisa do novo papa. Além disso, a Cúria Romana não concede muita liberdade ao pontífice para agir; a não ser que seja como João XXIII, que não se deixou corromper e ousou enfrentar seus opositores no Vaticano, agindo com ousadia, discrição e liberdade.

            O ideal é que o próximo papa seja jovem, porém experiente; culto, mas humilde; alegre e livre; trabalhador e despojado; misericordioso e missionário. A Igreja necessita de pastores cada vez mais humildes e despojados, que exerçam a missão com audácia e liberdade; de mulheres e homens que tenham como interesse fundamental o anúncio do evangelho de Jesus de Nazaré. Se o próximo papa levar a sério o evangelho de Jesus certamente irá fazer as reformas necessárias à vida da Igreja, irá escutar o clamor por mudanças, que ecoa nas bases da Igreja em todo o mundo. Do contrário, será mais um na fileira dos pontífices, a receber visitas em Roma e a assistir a continuidade da decadência da Igreja. Resta-nos esperar o resultado do conclave que está por vir. Seria muito bom se os cardeais escutassem a voz do Espírito e deixassem de lado as querelas e a ambição pelo poder.

Tiago de França

8 comentários:

Salette disse...

Olá Tiago! Paz e Bem!
Muito oportuna sua reflexão sobre a renúncia de Bento XVI.
No entanto, para mim, não importa o por que desta renúncia e sim, para que.
Acredito na presença do Espírito Santo e em sua ação e sabedoria em nossa Igreja e, por mais articulações que existam, Ele estará sempre lá, pronto para promover o bem ou impedir que o mal prevaleça.
Gostei e achei corajosa a atitude do Papa e espero que, de alguma forma, alguma coisa possa mudar. Tenho fé e esperança, até por que pior nossa Igreja não poderá ficar (ou será que pode?)Ele é um homem com relativa incoerência pois, uma vez que retoma a Igreja tridentina, deixa o papado reclamando que as propostas do C.VaticanoII ainda não foram totalmente aceitas pela nossa Igreja.
Eu também acredito em seus motivos, porque, dificilmente, com 85 anos, uma pessoa tenha força e lucidez necessárias para ocupar o cargo de Papa, dirigente espiritual e chefe de estado. É demais pra qualquer um, mesmo para aqueles que estão habituados a corte e ao poder.
Ainda bem que acabou, ainda bem que renunciou. Afinal, pelo menos uma centelha de esperança, creio de podemos voltar a ter.
Deus te abençoe,

Anônimo disse...

Muito bom seu comentário sobre o novo papa.

Anônimo disse...

Olá Tiago! Parabéns por mais uma reflexão, pois gostei muito da mesma.Graças a Deus eu sou católico,mas não sou ou melhor, a minha fé não é infantilizada. Eu acredito em Deus, porém, Deus vai além da instituição. Tenho pensando que muitos católicos amam mais a igreja(poder) do que o próprio Jesus e isso é muito triste. Ademais, prefiro uma fé, a minha fé amadurecida e não tão cega como de muitos.

Anônimo disse...

A igreja não precisa de mais lobos disfarçados de clérigos sob o véu da hipocrisia, deviam, uma vez que apostataram se assumam para que não espalhem mais joio em nosso meio ( católico ), no caso do "missionário blogueiro", resta a pergunta... A missão pelo que já li até agora é destruir a Igreja, rogo a Deus para tal missão seja continuar leigo, não quero nem pensar no estrago que causaria a Igreja caso adentrar-se em suas fileiras como consagrado.
Roga por nós Santa Mãe de Deus

Ps. rezo pela sua conversão e retorno a fé que vc abandonou ou nunca conheceu

Anônimo disse...

A igreja não precisa de mais lobos disfarçados de clérigos sob o véu da hipocrisia, deviam, uma vez que apostataram se assumir para que não espalhem mais joio em nosso meio ( católico ), no caso do "missionário blogueiro", resta a pergunta... A missão pelo que já li até agora é destruir a Igreja? Rogo a Deus para tal missão seja continuar leigo, não quero nem pensar no estrago que causaria a Igreja caso adentrar-se em suas fileiras como consagrado.
Roga por nós Santa Mãe de Deus

Ps. rezo pela sua conversão e retorno a fé que vc abandonou ou nunca conheceu

Marco Costa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Marco Costa disse...

O "anônimo" acima (quanta coragem!) devia se perguntar quem realmente contribui para a destruição da Igreja: se aqueles que a criticam abertamente e sempre de forma propositiva, ou aqueles que se submetem como cordeiros a quem quer que esteja no exercício da hierarquia, independentemente de suas ações e/ou omissões.
É graças as milhões de "fiéis" (a quem?) silentes, obedientes e omissos que chegamos a tal ponto.
A Igreja, queiram ou não os crentes como o "senhor anônimo", É DO MUNDO, humana e falível, a despeito do dogma; não é "do céu" como muitos arrogantemente pretendem, acreditam ou fingem crer.
Ela deve ser SINAL do reino de Deus, esta a sua missão. Não é, nunca foi e nunca será o próprio reino.

Caminhando com Jesus disse...

Confesso que ainda não tinha visto o comentário do "anônimo" acima. Pouco pertinente. Parece desconhecer a realidade da conversão e do sentido do ser Igreja. Convido o mesmo a ler o próximo texto para, quem sabe, entender melhor o que a conversão. De fato, eu preciso me converter e se o "anônimo" fosse mais humilde deveria procurar fazer o mesmo. Obrigado não pela crítica, mas pela ousadia de publicar tais coisas. É bom também lê-las.