quinta-feira, 31 de maio de 2018

Eucaristia: Pão da vida para todos


     
     Quando Jesus partilhou o pão e o vinho, durante a última ceia com seus discípulos, não havia, de sua parte, a intenção de criar exclusivismo. Na missa, os católicos escutam o sacerdote rezar: “Tomai todos e comei... Tomai todos e bebei...” Na comunidade cristã, a Eucaristia deve ser de todos. Não deveria ser privilégio de poucos.

Em épocas passadas, os cristãos católicos entendiam a Eucaristia como banquete para pessoas santas. Este era o ensinamento que recebiam da Igreja. Quem estivesse no pecado não poderia comungar. Até hoje, muitos grupos ultraconservadores tratam a Eucaristia como prêmio para os justos. Mas quem é o justo? Quem é o santo? Quem é digno do corpo e sangue do Senhor?...

        Na mesa eucarística não há lugar para exclusão de pessoas. Para ser verdadeira ceia do Senhor deve existir lugar para todos, especialmente para os que mais pecam. Quem mais peca precisa do auxílio da graça divina. É na Eucaristia que o pecador encontra a graça por excelência, a graça da reconciliação e a verdadeira vida.  

Como o cristão pode crescer na fé e na virtude separado do corpo e sangue do Senhor? A quem Jesus deu poder para impedir o acesso à sua mesa? O banquete eucarístico é um baquete para pecadores. Quem for puro e imaculado não precisa comungar. Quem é o puro e o imaculado? Quem não é pecador?...

        Estas são observações evangélicas para a compreensão sacramental da Eucaristia. São indagações que honestamente não podemos esconder nem evitar. Jesus deseja fazer morada, com o Pai e o Espírito, no coração de todos. Não há fila para privilegiados. Com Jesus não há filas, mas lugar à mesa, que é circular, que a todos inclui, preferencialmente os aflitos e sofredores.  

Neste sentido, não adianta enfeitar ruas, praças, avenidas e vielas com belos tapetes para Jesus eucarístico passar, sendo que, no cotidiano da vida, se julga e condena as pessoas. Esta seria uma comunhão indigna do corpo e sangue de Jesus. Precisamos ter em mente que também se comunga Jesus nos outros.

        Aqui aparece outra belíssima dimensão que integra a doutrina católica sobre a Eucaristia. A participação no corpo e sangue de Jesus não é mero ritualismo, mas compromete quem se achega à mesa sagrada. Sentar-se com Jesus e os irmãos à mesa significa participar da sua vida. Comungar é entrar em comunhão plena e eterna com a Trindade. Quem recebe a Eucaristia passa a conviver com Jesus. Aliás, mais que isso: passa a ser com Jesus.

O Mestre da vida passa a integrar o ser da pessoa. Trata-se de uma relação integradora e libertadora. Carregar consigo o Cristo eucarístico requer abertura e disponibilidade para a missão. Comungar é tornar-se um com a Trindade, Comunidade de Amor. Esta missão possui raízes no testemunho religioso e político de Jesus.

        É neste sentido que não se pode aceitar que cristãos que vivem participando do banquete eucarístico tenham atitudes antievangélicas, de forma consciente e propositada. Trata-se de uma profunda contradição.

Como pode o cristão viver em comunhão com Jesus enganando, traindo, agredindo e matando as pessoas? Como posso dizer que estou unido a Jesus, sendo, ao mesmo tempo, favorável à cultura da eliminação dos outros? Como posso estar frequentando o banquete eucarístico se me aproveito da crise para tirar vantagem sobre as pessoas, aproveitando-me da sua inocência e ingenuidade?...

Estas realidades pecaminosas são inadmissíveis a um cristão. Ou optamos por Jesus e abandonamos as injustiças, ou optamos pelos deuses que este mundo cria e recria, e nos tornamos inimigos do Reino de Deus. Estas realidades são incompatíveis. A Eucaristia exige adesão clara ao projeto de Jesus, que é o Reino de Deus.

        Que a celebração do corpo e o sangue de Jesus nos ensine a sermos mais irmãos uns dos outros para que o Reino de Deus se torne realidade entre nós. Sem este desejo pela fraternidade, cada celebração eucarística não passará de mero ritual, que somente agrada aos olhos e ouvidos, mas que não alcança o coração.

Tiago de França

Nenhum comentário: