sábado, 22 de março de 2008

Mensagem de Páscoa 2008


Fortaleza – CE, 22 de março de 2008.

“O Cristo, que leva aos céus, caminha à frente dos seus!”
Ressuscitou de verdade. Ó rei, ó Cristo, piedade!

Estimado (a) irmão (ã),

Cristo ressuscitou e vive para sempre! Esta é a grande e maravilhosa Boa Notícia que a Igreja proclama para o mundo neste santo domingo de Páscoa. Jesus venceu a morte e nos trouxe a vida plena. Todos os homens e mulheres são convidados a receber esta vida, porque Jesus não morreu e ressuscitou por alguns, mas pela salvação de todos. A salvação trazida por Jesus é universal. A ressurreição de Jesus é o marco que inaugura o Reino de Deus nesta terra. O sentido profundo de nossa fé está na ressurreição de Jesus. O apóstolo Paulo ensina-nos que vã seria a nossa fé se Jesus não tivesse ressuscitado dentre os mortos.
Obediente, Jesus abraçou o madeiro da Cruz. Nesta Cruz estava o peso da humanidade inteira, à espera de ser remida pelo seu Salvador. Naquele tempo, a cruz era um sinal de condenação, maldição e vergonha pública, era motivo de escárnio e espetáculo público. Em sua sabedoria e misericórdia eternas, o Senhor nosso bom Deus encontrou na Cruz a maneira de remir a humanidade de seus pecados. Enviou o seu Filho amado e o “abandonou” no madeiro da Cruz. A morte de Jesus, apesar de tão explícita e humilhante, é também um mistério de amor. O hino vai dizer que prova de amor maior não há, que doar a vida pelo irmão. Jesus na Cruz é a maior prova de amor que Deus poderia demonstrar pela humanidade. Atualizando esta prova de amor, temos e sempre teremos em nossa sociedade, várias mulheres e homens, que estão sendo crucificados, levados ao Calvário da fome, da violência, da discriminação, da exclusão social, da prostituição e de tantas outras formas de Calvário. E são poucos os cristãos que fazem o papel de Simão Cirineu ajudando a estas pessoas a carregarem suas cruzes de cada dia. Jesus continua sendo assassinado nas pessoas humilhadas e exploradas pelo capitalismo exacerbado, sistema econômico que exclui e mata sem piedade. Os representantes do Império Romano estão mais vivos do que nunca, nas pessoas que vivem à custa do suor dos pobres e de todas as pessoas constituídas de dignidade. Os herodianos de hoje são as empresas desonestas e sonegadoras de impostos, são a maioria corrupta de nossos políticos, são a maioria de nossas Igrejas, com seus falsos sermões e sua propaganda do Dízimo desonesto, são os países do norte e Europa, que com seus mercados e blocos econômicos matam de fome os pobres do terceiro mundo... A população mundial precisa acordar e gritar por justiça. Onde iremos parar com esta maneira de ser e de viver?...
Antes do momento da Cruz, Jesus encontra-se com seus discípulos numa Ceia. Nesta, ele parte o pão e o vinho, e lava os pés dos discípulos e pedem que eles façam o mesmo. Com esses gestos Jesus ensina e afirma ser o Mestre e o Senhor. O texto sagrado deixa transparecer a humildade e o amor de Jesus ao lavar os pés de homens simples e pecadores, partilhando também o pão e o vinho. Quando lava os pés dos discípulos Jesus ensina-nos a nos acolhermos uns aos outros. Este gesto denuncia a nossa hipócrita sociedade individualista, que vive em preservar e buscar seus próprios interesses mesquinhos. Quando reparte o pão e o vinho Jesus ensina-nos a partilhar aquilo que somos e temos. A partilha dos dons que Deus concede a cada um de nós é uma atitude cristã de amor gratuito. O mundo grita por partilha diante da grande parcela da humanidade que passa fome de pão e sede de justiça e paz. A Igreja é convidada a deixar seu pieguismo e conservadorismo para lançar-se na luta incessante da justiça e paz. A sacramentalização não educa nem converte para a justiça e a paz. O mundo está precisando de paz. E esta paz é fruto da justiça. Por isso, não podemos esquecer o martírio da missionária Ir. Doroth Stang, que com seu sangue gritou por justiça, clamou pelo fim da exploração injusta da terra da Amazônia. A Igreja precisa se empossar do grito desta mártir da justiça ambiental.
Jesus ressuscitou para dizer para cada um de nós que a vida é plena e possível a todos. As forças da morte, por mais cruéis e atormentadoras que sejam não têm a última palavra sobre a pessoa nem sobre o mundo. A vida cristã consiste na adesão ao Cristo ressuscitado. E aderir a cristo é ir ao encontro onde ele está sendo crucificado nos dias de hoje: favelas, indústrias, cadeias, canaviais, hospitais, ruas, praças e avenidas, e tantos outros lugares onde a pessoa humana está perdendo a sua dignidade. Quem se recusar ou fechar os olhos a esta realidade não pode afirmar-se cristão. Quem recebe Jesus na Eucaristia, mas recusa-se a assumir esse mesmo Jesus na vida dos irmãos e irmãs que sofrem, está recebendo a própria condenação. A Celebração Eucarística é a celebração da promoção e da defesa da vida que se dá no dia-a-dia. Vamos à Missa para celebrar a vida que vivemos. E se não vivemos a justiça e a paz, o que vamos celebrar? Não podemos celebrar a Páscoa de Jesus todos os anos e continuarmos fechados em nosso mundo egoísta, quem assim procede, invalida na própria vida o sentido autêntico da paixão, morte e ressurreição do Messias.
Peçamos a Deus perdão pelas vezes que nos recusamos ao amor redentor de Jesus. Oremos: Deus santo e bom, que enviastes Jesus, vosso Filho querido e amado para a nossa salvação e a salvação do mundo, concede-nos teu perdão, para que redimidos de nossas culpas possamos nos comprometer cada vez mais no serviço da justiça e da paz em nossa sociedade desumana e desumanizadora. Olhai, ó bom Deus, os teus pobres filhos, jogados à margem de nossa sociedade, sendo esquecidos pelos doutores da lei e fariseus de nosso tempo. Converte nosso coração para que possamos ser os samaritanos na vida daquelas pessoas que são assaltadas pelo sistema opressor e que não estão conseguindo sobreviver. Envia sobre nós o teu Espírito de amor para que ele nos encoraje e nos santifique. Não nos abandoneis, ó Deus, em nossas fraquezas e limitações, ajuda-nos a construir teu Reino neste mundo e só sermos felizes conforme teu desejo e vontade. Pedimos em nome de Jesus, nosso Irmão maior, que vive e reina contigo em comunhão com o Espírito da vida, amor e liberdade. Assim seja!

Tiago de França da Silva
Seminarista Lazarista
missionariotiago@hotmail.com

Um comentário:

Emerson Maciel Santos disse...

visitando o seu blog,senti em ti um irmão de luta, um companheiro libertario que n se opoe a mentira...o conteudo é de pura inteligencia, e puro raciocinio advindo do espirito santo, no proximo mes estarei dando uma palestra, com o "tema: Ternura: um objeto de transformação" e acredite seu texto me ajudará bastante, apesar de que a minha fala esta fechada, vou procura uma forma de imbui um pedaço do seu texto na paletra (citando a fonte) o meu objetivo é gravar o CD e distribuir para algumas pessoas...sem fins lucrativos... tambem tenho um blog o link é www.emersonmaciel.blogspot.com
vou lhe adicionar nos blogs parceiros..

paz e bem